Lançamos a Coleção 6 (1985-2020)

Região Centro-Oeste diminui alertas, mas biomas Amazônia e Pantanal crescem em desmatamento

Dos dez municípios que mais desmataram, nove ficam no Mato Grosso

A redução do desmatamento no Cerrado fez com que a região Centro-Oeste registrasse queda de 10% no número de alertas entre 2019 e 2020. Foram 5.617 alertas registrados e 239.255 hectares de vegetação nativa suprimida no período, segundo o Relatório Anual do Desmatamento no Brasil - 2020, produzido a partir dos dados do MapBiomas Alerta. Este e outros dados foram apresentados em um webinar nesta sexta-feira, dia 23 de julho, no canal do MapBiomas no YouTube. O evento contou com a participação de órgãos de monitoramento e fiscalização.

Mas não há motivos para comemorar. Ane Alencar, coordenadora da equipe Cerrado do MapBiomas e diretora de Ciência do Ipam (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), explica que os 10% de redução são decorrentes, principalmente, da redução de desmatamento que ocorreu no Cerrado. “Já na porção da Amazônia que cobre os estados do Centro-Oeste e no Pantanal, o desmatamento aumentou. Então, os números não revelam a real condição do que está acontecendo. Isso se conecta com o aumento do fogo nos dois biomas, em 2019 e em 2020."

O Estado de Mato Grosso foi o campeão em área desmatada, apesar de uma redução de 11,6% em relação a 2019. Mato Grosso do Sul foi o único que registrou aumento na área desmatada, com 34% a mais no comparativo – o que representou 178.183 hectares em 2020. É também o segundo Estado do Centro-Oeste que mais desmatou, seguido por Goiás. O que menos destruiu vegetação nativa no último ano foi o Distrito Federal.

Dos 467 municípios da região, 308 tiveram desmatamento, segundo o relatório. Entre os dez municípios do Centro-Oeste que registraram maior subtração de vegetação nativa, nove estão no Mato Grosso e um em Mato Grosso do Sul. Por Estado, no Mato Grosso, o campeão foi Colniza, com 18.362 hectares devastados. Corumbá, com 12.667 hectares desmatados, foi o município campeão em Mato Grosso do Sul. Em Goiás, Niquelândia ficou em primeiro lugar, registrando área destruída de 1.454 hectares. Brasília, no Distrito Federal, completa a lista, com 16 hectares de vegetação suprimidas.

Destaques sobre a região Centro-Oeste no Relatório Anual do Desmatamento no Brasil - 2020:

- 5.617 alertas detectados, validados e refinados (uma redução de 10% em relação a 2019);
- 239.255 hectares de desmatamento (9% a menos em relação a 2019);
- No Centro-Oeste, foram registrados 308 municípios com desmatamento, do total de 467;
- O Mato Grosso foi o campeão em desmatamento no Centro-Oeste, apesar de uma redução de 11,6% na área desmatada em relação a 2019. Outros Estados também reduziram suas áreas desmatadas: GO em 30% e o DF em 83%. No comparativo, MS foi o único Estado com um aumento na área desmatada, sendo de 34%. Os municípios com maior área desmatada por Estado foram: Colniza/MT (18.362 ha); Corumbá/MS (12.667 ha); Niquelândia/GO (1.454 ha); e Brasília/DF (16 ha).
- Entre os dez municípios com maior área desmatada no Centro-Oeste, estão: Colniza (MT), com 18.362 hectares destruídos, Aripuanã (MT), com 13.538 hectares devastados; em terceiro está Corumbá (MS), que desmatou 12.667 hectares. A quarta posição está ocupada por União do Sul (7.249 ha), no Mato Grosso, seguido por outro município mato-grossense, Nova Bandeirantes, com 6.701 hectares. Em sexto no ranking aparece mais um município em MT, Comodoro (6.456 ha). Nova Ubiratã, com 6.383 hectares desmatados, Feliz Natal (6.213 ha), Rondolândia (6.158 ha) e Juara, com 5.473 hectares desmatados, todos no Mato Grosso, completam a lista.

Acesse na íntegra o Relatório Anual de Desmatamento 2020 no site do MapBiomas Alerta.