Áreas de culturas irrigadas crescem 3,8 vezes em 37 anos

Três em cada quatro hectares irrigados por pivô central são de lavoura de soja seguida de milho 2ª safra


Acesse os principais destaques sobre Irrigação da Coleção 7

O mapeamento por imagens de satélite das lavouras irrigadas por pivôs, inundação e outros sistemas de irrigação mostra que essas áreas quase quadruplicaram entre 1985 e 2021, passando de 804 mil hectares em 1985 para 3,29 milhões de hectares em 2021.  Os dados mostram ainda mudança no tipo de irrigação mais utilizado. Em 1985, cerca de 84% da área irrigada mapeada no Brasil era por sistema de inundação. Em 2021, esse percentual havia caído para 44%. A área irrigada por pivô central, por sua vez, passou de 8% em 1985 para 50% em 2021. Como a inundação é usada basicamente na cultura de arroz, o avanço dos pivôs sugere a expansão da irrigação para outros cultivos, notadamente a soja: 76% das áreas de pivô são lavouras dessa leguminosa.

O mapeamento de sistemas de irrigação por imagens de satélite é complexo e as tecnologias disponíveis ainda não permitem identificar todas as áreas irrigadas no Brasil. Por isso, o MapBiomas concentra-se em sistemas que também são mapeados por outras instituições, como a Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA), para balizar os resultados.  A abordagem mais conservadora não reduz a amplitude do mapeamento, que conseguiu identificar lavouras irrigadas nas regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste do Brasil.

“Os dados não deixam dúvidas de que muitos produtores abraçaram a irrigação das lavouras como solução para garantir a segurança hídrica durante o cultivo”, explica Bernardo Rudorff, coordenador do mapeamento de irrigação do Mapbiomas.  “Eles indicam também que a adesão foi maior por parte dos produtores do Cerrado, bioma que tem um ciclo de chuvas mais curto em certas regiões para o cultivo de mais de uma safra”, ressalta. 

Juntos, os estados de Minas Gerais, Goiás e Bahia respondem por quase dois terços (64%) da área mapeada por pivô central de irrigação no Brasil. Um terço do total (31%) encontra-se em Minas Gerais, estado com a maior área de irrigação ao longo dos 37 anos avaliados pelo MapBiomas.  Em 2021, a área irrigada em Minas era de 509.133 mil hectares, o equivalente a três vezes a cidade de São Paulo.

Os cinco estados no Brasil que apresentaram as maiores expansões de área de pivô central de irrigação, entre 1985 e 2021, foram Maranhão, Goiás, Distrito Federal, Bahia e Mato Grosso. Os quatro últimos apresentaram uma expansão entre 51 e 53 vezes em 37 anos.  No caso do Maranhão, contudo, a expansão foi de 286 vezes – um claro reflexo da expansão agrária no Matopiba. 

O MapBiomas identificou 26 grandes regiões de irrigação por pivôs no país, sendo que o maior deles fica no oeste baiano: cerca de 180 mil hectares, o que representa um aumento de 14,5 vezes em relação à área mapeada em 1985.   

Outros sistemas de irrigação foram mapeados apenas no semi-árido brasileiro. Nessa região, o polo de Petrolina / Juazeiro apresentou a maior área em 2021, com cerca de 70 mil hectares - um aumento de 4,5 vezes em 37 anos.

A irrigação por inundação é usada prevalentemente em arroz, sendo que os maiores polos com arroz inundado estão no sul do país.  Nessa região, o polo Quaraí / Ibicuí / Icamaquã, no Rio Grande do Sul, apresentou a maior área, com mais de 450 mil hectares – um crescimento de 2 vezes entre 1985 e 2021. Fora da região sul, o Polo Javaés / Formoso, no estado do Tocantins, foi o que apresentou maior crescimento em área de arroz irrigado: cerca de 1,7 vezes em 37 anos, atingindo uma área de 100 mil hectares em 2021.